Sanofi
Entrevista com o Dr. Pedro Norton

ENTREVISTA COM O Dr. PEDRO NORTON

A opinião esclarecedora do consultor médico de prisaodeventre.pt

Em média, quantas vezes uma pessoa vai à casa de banho para evacuar?
A quantidade de vezes que uma pessoa vai à casa de banho para evacuar difere de pessoa para pessoa. É considerado normal 100 a 150 gramas de fezes por dia, com uma frequência de 3 vezes por dia até 3 vezes por semana.
Quando se pode falar de prisão de ventre?
A prisão de ventre ou obstipação pode ser muito desconfortável. Ainda existem muitas dúvidas sobre quando realmente se trata de prisão de ventre. Os especialistas em Gastroenterologia determinaram, por consenso de que se pode falar em prisão de ventre nos adultos quando se tem pelo menos dois sintomas dos seguintes:
• A evacuação ocorre menos de três vezes por semana
• É necessário fazer muita força durante a evacuação
• As fezes são duras
• Tem-se a sensação de que a evacuação não feita completamente
• Tem-se a sensação que a parte inferior do intestino (o ânus e o reto) está obstruída
• É necessária ajuda manual para remover as fezes
Quais são as principais causas da prisão de ventre?
A prisão de ventre ocorre quando a ação muscular do intestino grosso (cólon) não está a funcionar bem. Consequentemente, o conteúdo do intestino não é empurrado convenientemente nem excretado. As causas da prisão de ventre são complexas, mas existem vários fatores que contribuem para a ocorrência de prisão de ventre:
• Má hidratação
• Dieta pobre em fibras
• Sedentarismo
• Pós-parto em resultado de lesão dos músculos da pélvis
• Não ir à casa de banho quando se sente vontade
• Stress
• Alterações relacionadas com o pradrão de vida diário normal como, por exemplo, ir de férias, viajar, utilizar uma casa de banho estranha ou ter falta de privacidade
• Efeitos laterais de determinados medicamentos como produtos que contêm ferro ou cálcio e determinados fármacos para tratamento da azia.

À medida que vamos envelhecendo, a probabilidade de ter prisão de ventre também aumenta, entre outros fatores, porque nos movimentamos menos.
Porque é que as mulheres sofrem de prisão de ventre com mais frequência que os homens?
As mulheres têm o dobro da probabilidade de virem a sofrer de prisão de ventre em relação aos homens. Não se sabe muito bem porquê. Poderá ser por falarem disso mais cedo do que os homens e procurarem ajuda mais precocemente. Outra explicação reside nos fatores hormonais que influenciam a digestão. Por exemplo, durante a gravidez são produzidas determinadas hormonas que lentificam o funcionamento intestinal resultando em prisão de ventre. Também durante a menopausa a concentração de algumas hormonas altera-se consideravelmente, o que pode causar prisão de ventre.
Porque é que as crianças também podem sofrer de prisão de ventre?
Durante o período de desabituação da fralda, as crianças por vezes adiam a vontade de ir à casa de banho. Isto pode aumentar o risco de prisão de ventre. Entre outras causas poderá estar uma alimentação pobre em fibras, pouco exercício físico e a toma de alguns medicamentos.
O consumo de alimentos nutritivos, ricos em fibras e uma hidratação adequada não contribui apenas para prevenir a prisão de ventre mas é também uma boa maneira de ensinar à criança hábitos responsáveis e saudáveis. Alguns alimentos que poderão ajudar são por exemplo:
• Maçã;
• Sanduíches de pão integral
• Manteiga de amendoim
• Aipo
• Aveia com amêndoas e avelãs
• Fruta fresca com casca
• Muesli seco
Quando a criança tiver prisão de ventre com frequência é aconselhável consultar o seu médico de família o qual poderá eventualmente encaminhá-la para um pediatra. Não é aconselhável que os pais experimentem vários métodos de tratamento sem aconselhamento médico.
Dr. Pedro, poderia dar-nos uma breve explicação sobre o funcionamento dos intestinos?
A digestão começa no momento em que vai comer. As enzimas presentes na saliva fazem com que os hidratos de carbono nos nossos alimentos sejam parcialmente fragmentados. Em seguida, os alimentos são transportados através do esófago para o estômago. Aqui, o conteúdo alimentar é misturado com o suco gástrico. Por este meio, os alimentos consumidos são fragmentados em pedaços mais pequenos. Do estômago os alimentos transitam para o duodeno e intestino delgado, onde a bílis e o suco pancreático são adicionados e a maioria dos nutrientes é absorvida pelo organismo. Tudo o que ainda resta continua para o intestino grosso onde a maior parte da água é absorvida e onde ocorre também o conhecido processo de fermentação a cargo das muitas bactérias naturais, que fazem parte da flora intestinal normal. Quando todo o processo de digestão estiver concluído, os resíduos são expulsos sob a forma de fezes.
Quais são os problemas intestinais mais comuns?
Os problemas intestinais mais comuns são prisão de ventre e a diarreia. Estes podem ter várias causas. Quando vamos de férias, um menu diferente ou alterações no padrão alimentar podem confundir o seu corpo. Outra causa muito comum é de natureza psicológica: muitas pessoas têm dificuldade em ir à casa de banho num ambiente diferente. Nestes casos, o corpo reage retendo as fezes.
Então surge o problema da prisão de ventre. Há muitas coisas que pode fazer para ter uma digestão saudável. E se mesmo assim ainda tiver problemas, estes podem ser tratados de forma eficaz e previsível.
Nalguns casos também a diarreia pode ser consequência de uma alimentação diferente. Então, neste caso um anti-diarreico pode ser a solução. Atenção: em especial nos países em desenvolvimento, poderá estar sujeito à diarreia do viajante devido a uma infeção do estômago ou dos intestinos por determinadas bactérias. Neste caso, é necessário consultar um médico.
Qual a relação entre o funcionamento dos intestinos e a evacuação?
A digestão que consiste na transformação dos alimentos em nutrientes que possam ser absorvidos e transformados em energia e na eliminação dos resíduos remanescentes. O movimento peristáltico é responsável pelo transporte do conteúdo alimentar ao longo do tubo digestivo de forma uniforme em cada fase do processo. Normalmente decorrem cerca de 24 a 48 horas até que as fezes se formem no intestino grosso. Quando os intestinos conseguem fazer o seu trabalho de forma normal, a evacuação é regular. A prisão de ventre ou obstipação ocorre quando a ação muscular normal no intestino grosso não está a funcionar bem. Em resultado o conteúdo do intestino não pode ser empurrado de forma normal e não é excretado.
A diarreia pode ser uma consequência de uma passagem mais rápida das fezes pelos intestinos, mas também pode ser um sintoma de algumas doenças crónicas. A diarreia aguda ocorre geralmente devido a infeções intestinais por vírus, bactérias ou parasitas. Uma forma muito comum de diarreia aguda é a denominada gastroenterite.
Com que frequência se deve evacuar?
A quantidade de vezes que uma pessoa vai à casa de banho para evacuar difere de pessoa para pessoa. É considerado normal uma média de 100 a 150 gramas de fezes por dia, com uma frequência que varia entre três vezes por dia até três vezes por semana. O padrão mais comum é evacuar uma vez por dia, mas isto ocorre em menos de 50% das pessoas.
As fezes apresentam-se de muitas formas (cor, consistência). De que forma estas características podem indicar algo sobre a sua saúde?
As fezes dizem muito sobre a sua saúde: as fezes normais são geralmente castanhas, devido à presença de uma substância denominada bilirrubina. Por vezes as fezes podem apresentar outra cor como por exemplo, depois de comer determinados alimentos como os espinafres ou beterraba. A alteração na cor das suas fezes pode ser um sinal de certas doenças. Se as suas fezes tiverem um aspeto diferente do normal, deverá consultar o médico. Este pode avaliar se são necessários mais exames.
• Fezes secas e duras - as fezes podem ficar secas e duras quando permanecem mais tempo que o habitual no intestino. A causa mais frequente de fezes duras é uma alimentação pobre em fibras.
• Fezes macias - Em condições normais as fezes deverão ser volumosas e macias. A alteração da consistência das fezes poderá ocorrer em consequência de um padrão alimentar errado, a uma gastroenterite ou a uma inflamação intestinal.
• Fezes com alimentos não digeridos - Alguns alimentos que come poderão não ser digeridos tais como grainhas, sementes e vegetais. Estes fragmentos poderão ser visíveis à superfície das fezes.
• Fezes viscosas - Por vezes as fezes podem ser um pouco mais viscosas do que o habitual. As causas são múltiplas, umas mais graves outras inofensivas. O seu médico pode avaliar a situação ou mandar fazer mais exames.
• As fezes perfeitas - Os vegetais e a fruta constituem uma parte importante da alimentação diária. O consumo de alimentos ricos em fibra contribui para formação de fezes macias e suaves. Os produtos alimentares ricos em fibras são, entre outros, leguminosas, cereais, farelo, fruta fresca com casca e vegetais crus.
Que conselhos gostaria de dar aos utilizadores de laxantes?
Na maior parte dos casos os laxantes têm um efeito muito rápido e eficaz no alívio da prisão de ventre, mas gostaria de dar os seguintes conselhos a todos os utilizadores de medicamentos: leia muito atentamente o texto do folheto informativo nomeadamente a parte que indica como o medicamento deve ser tomado. Isto também se aplica à utilização de laxantes.
Por vezes ouve-se dizer que a utilização de laxantes pode danificar os intestinos. Em que medida pode isto ser verdade?
Desde há muitos anos que se realizam estudos sobre os efeitos dos laxantes. Em nenhum deles foi demonstrada a ocorrência de danos nos intestinos desde que o laxante tivesse sido utilizado da forma recomendada. Se o utilizador seguir as instruções no folheto informativo, os laxantes são seguros e podem ser utilizados com confiança.
Também se contam histórias de que os laxantes podem causar dependência. É verdade que devemos ter isto em consideração?
Não, não existe nenhum estudo que comprove que a utilização regular de laxantes na dose normal provoque dependência.
Os laxantes podem ser utilizados para emagrecer?
Não, porque os laxantes atuam de forma completamente diferente dos produtos para emagrecer. Muitas pessoas que tentam emagrecer com a ajuda de laxantes apresentam frequentemente problemas psicológicos associados que devem ser tratados. Este tipo de produtos não deve ser utilizado para emagrecer.
É melhor tomar um laxante à base de produtos naturais do que um laxante à base de produtos químicos sintetizados?
Com a sua pergunta está a abordar um assunto que é a consequência de um equívoco constante: de que tudo o que vem da natureza, em princípio, é seguro. Isto não corresponde à realidade. Assim como a ideia de que algo químico, em princípio, é perigoso. Tanto para os laxantes químicos como para os laxantes naturais, os tratamentos para a prisão de ventre devem ser de curta duração - geralmente três dias.
Quais são os sintomas de problemas intestinais mais comuns?
Os sintomas de problemas intestinais mais comuns são as cólicas abdominais, náuseas, distensão abdominal, gases (flatulência) e um padrão de evacuação alterado sob a forma de diarreia ou prisão de ventre. Estes podem ocorrer apenas ocasionalmente, mas há pessoas que sofrem destes sintomas regular ou continuamente.
Em que medida os problemas intestinais estão relacionados uns com os outros e, em caso afirmativo, quais?
No caso de problemas intestinais, é frequente haver uma combinação de sintomas como, por exemplo, cólicas abdominais com náuseas em caso de infeção do trato gastrointestinal, prisão de ventre com flatulência, diarreia com flatulência. Por vezes, os sintomas podem ser agudos como frequentemente acontece no caso de uma infeção, ou crónicos como no caso da síndrome do cólon irritável em que os sintomas de prisão de ventre e diarreia aparecem alternados durante anos.
No caso de problemas intestinais, quando se deve ir ao médico?
Existem várias alterações que podem ser um sinal de alarme:
• Uma alteração nítida nos hábitos normais de evacuação como diarreia ou prisão de ventre persistente.
• Uma alteração na coloração das fezes, nomeadamente quando estas apresentam um côr escura tipo borra de café ou quando apresentarem vestígos de sangue.
• Quando a evacuação se torna difícil ou dolorosa.
Também é aconselhável consultar o seu médico quando os sintomas digestivos são acompanhados de fadiga persistente ou perda de peso.
O normal é ter uma evacuação diária?
Não é obrigatório evacuar todos os dias. Mesmo as pessoas saudáveis podem ter 3 evacuações de fezes normais e macias por semana. Para outras pessoas três evacuações por dia poderá ser normal. A quantidade de vezes que uma pessoa defeca por dia ou por semana, não está necessariamente associada a patologia. Portanto não se pode dizer que uma dejeção diária seja o único padrão de normalidade.
Todas as pessoas que sofrem de prisão de ventre vão beneficiar com o consumo de mais fibras?
Todas as pessoas, independentemente de terem prisão de ventre ou não, beneficiam com uma alimentação rica em fibras. Isto é ótimo para estimular o funcionamento do intestino. Estudos realizados têm demonstrados que a utilização de mais fibras pode fazer aumentar o número de evacuações por semana. Como é óbvio, algumas pessoas podem beneficiar mais com o consumo extra de fibras do que outras.
A prisão de ventre pode causar outras doenças?
Por si só, a prisão de ventre não causa outras doenças, mas provoca muito desconforto. Quando tem de fazer muita força para evacuar o risco de ter hemorróidas ou fissuras no ânus aumenta. Estas situações são muito dolorosas.
A prisão de ventre de longa duração é perigosa? Pode levar a autointoxicação?
É sempre aconselhável entrar em contacto com um médico no caso de apresentar sintomas de longa duração, se os sintomas se agravaram recentemente, ou ainda se forem acompanhados dos sinais de alerta anteriormente referidos. O seu médico poderá pedir-lhe alguns exames para determinar a origem do problema. Por si só, a prisão de ventre de longa duração não é perigosa mas é muito desconfortável.
Quais são as funções da digestão?
A digestão pode ser considerada como uma grande fábrica que transforma matérias-primas, alimentos e bebidas, em elementos estruturais e em energia para o corpo. Os alimentos são compostos por proteínas, hidratos de carbono e gorduras. Em geral estes são demasiados grandes para serem absorvidos no trato gastrointestinal. Durante a digestão os alimentos são expostos ao suco gástrico, à secreção pancreática e biliar. Estes sucos que são introduzidos no tubo digestivo contêm enzimas capazes de fragmentar estas moléculas complexas grandes.
Poderia explicar resumidamente como funciona a digestão?
A digestão começa na boca. Quando começamos a comer, a nossa boca produz saliva. Enquanto mastigamos, os alimentos são finamente moídos e misturados com a saliva. A saliva contém uma enzima que consegue decompor hidratos de carbono em açúcares mais simples: é aqui que começa a digestão. Depois de engolir, o bolo alimentar é transportado pelo esófago até ao estômago. O estômago produz suco gástrico, que é uma solução extremamente ácida (tão ácida como o ácido de uma bateria!) o qual também contém enzimas. Os alimentos são misturados com a solução ácida, continuando o processo de digestão.
Do estômago os alimentos são transportados para o duodeno onde derivam as secreções do pâncreas e da vesícula biliar. As secreções pancreáticas para além de enzimas contém também bicarbonato de sódio que neutraliza a pasta acídica. A bílis contém sais biliares que atuam como um sabão sobre as gorduras, dividindo-as em pequenas partículas. Quando a pasta de alimentos digeridos é transportada através do intestino delgado, os nutrientes vão sendo absorvidos para o sangue. O conteúdo restante passa para o intestino grosso, onde é absorvida a maior parte da água. O conteúdo do intestino fica então mais espesso, já sob a forma de fezes.
Quando se pode falar de um funcionamento normal da digestão?
A digestão começa com a ingestão de alimentos através da boca e termina quando as fezes deixam o corpo através do ânus. A digestão é tudo o que acontece entre estas duas fazes. Quando esse processo se desenrola sem problemas, pode falar-se em digestão normal. Isto não significa que este processo ocorra em todas as pessoas da mesma maneira e dentro do mesmo período de tempo. No entanto, a ocorrência de alterações dos hábitos intestinais pode traduzir um processo patológico.
Quais são os distúrbios de digestão mais comuns e quais as suas causas?
A causa mais comum das eructações (arrotos) é engolir muito ar. Os arrotos também podem ocorrer associados a outros distúrbios gástricos como o refluxo gastro-esofágico.
Muitas vezes há uma combinação entre a produção excessiva de suco gástrico e o funcionamento inadequado do esfíncter situado entre o esófago e o estômago, permitindo que o conteúdo ácido do estômago flua de volta para o esófago. Este conteúdo ácido do estômago tem um efeito agressivo na mucosa do esófago. As pessoas que sofrem deste distúrbio têm muitas vezes uma sensação de ardor por trás do esterno e um sabor amargo na boca. Comida muito gorda e condimentada, o consumo de álcool em excesso, o tabaco, determinados medicamentos e stress são causas importantes deste problema.
A dor de estômago pode ocorrer antes ou depois de comer. Se a dor ocorrer antes de comer poderá tratar-se de uma úlcera uma vez que o ácido gástrico tem acesso livre à parede gástrica danificada na úlcera. Se a dor de estômago ocorrer depois de comer é frequente tratar-se de uma inflamação da mucosa gástrica (gastrite). Neste caso, o aumento da acidez gástrica durante a refeição irrita a mucosa gástrica, o que provoca dor. As náuseas são, em geral, consequência do movimento gástrico reduzido fazendo com que os alimentos permaneçam demasiado tempo no estômago. Outras causas conhecidas são as enxaquecas, ou a utilização de determinados medicamentos nomeadamente para a Doença de Parkinson.
A prisão de ventre ocorre quando uma pessoa defeca menos de três vezes por semana, as fezes são duras ou apenas conseguem ser expulsas fazendo muita força. A prisão de ventre pode ser causada por um estilo de vida errado ou por uma alimentação incorreta. Também as alterações repentinas como viajar ou falta de privacidade no momento de ir à casa de banho pode ser prejudicial para uma evacuação normal. Também existe uma forma específica de síndrome do cólon irritável que é acompanhada de dor abdominal e prisão de ventre.
A diarreia é uma evacuação aguada muitas vezes como consequência de uma gastroenterite. Também uma forma do síndrome do cólon irritável pode manifestar-se predominantemente por dor abdominal e diarreia.
Gases ou flatulência, são em geral a consequência de ar engolido ou da fermentação dos alimentos pelas bactérias intestinais. A flatulência pode ser socialmente muito incomodativa.
Quais os sintomas da digestão que requerem que entre em contacto com o médico?
Uma regra geral é que se os sintomas persistirem durante mais de uma semana, ou se se agravarem, é aconselhável consultar o seu médico. Além disso, existem determinados sintomas em que é fortemente recomendado consultar um médico.
• Perda de peso inexplicável
• Fezes pretas
• Grande perda de apetite
• Vómitos frequentes com ou sem sangue
• Náuseas persistentes
• Fezes bancas-acinzentadas
• Dor abdominal grave e persistente
• Sintomas abdominais acompanhados de febre
• Sangue nas fezes
Como se pode prevenir a prisão de ventre?
Os vegetais e a fruta constituem uma parte importante da alimentação diária. O consumo de alimentos ricos em fibra contribui para formação de fezes macias e suaves. Os produtos alimentares ricos em fibras são, entre outros, leguminosas, cereais, farelo, fruta fresca com casca e vegetais crus. Além disso, é importante uma hidratação adequada (pelos menos oitos copos de água por dia) e a prática regular de exercício físico. Também é importante que a pessoa disponibilize tempo suficiente para ir à casa de banho. Desta forma, estimula a digestão e o funcionamento intestinal. Por fim, não se deve contrariar a vontade de ir à casa de banho.
Como se pode tratar a prisão de ventre?
O tratamento da prisão de ventre é particularmente importante para as pessoas que sofrem com muita frequência deste problema. Se demorar alguns dias até que uma alimentação rica em fibras associada à prática regular de exercício físico faça efeito, ou se isto não resultar, pode ser tomado um laxante para restabelecer a regularidade intestinal. Está clinicamente provado que os laxantes conseguem aliviar de forma eficaz a prisão de ventre. Se tiver prisão de ventre regularmente ou durante um longo período de tempo, se tiver uma alteração súbita do seu padrão habitual de funcionamento intestinal, se estiver a emagrecer inexplicadamente ou se se surgir sangue nas fezes, então é aconselhável consultar um médico para identificar o que está na origem da prisão de ventre.
O que funciona melhor se quiser aliviar a prisão de ventre rapidamente?
Se a prisão de ventre for ocasional ou muito desconfortável pode utilizar um laxante. Se tomar um laxante como Dulcolax ou Dulcogotas (laxantes de contacto), à noite, terá o alívio desejado na manhã seguinte. As fezes ficam macias e são melhor excretadas. Quando desejar um efeito mais rápido pode optar por um supositório Dulcolax. O efeito, ou seja, a evacuação, irá ocorrer uma hora depois de ter colocado o supositório. Mas lembre-se de que os laxantes não devem ser utilizados durante mais de três dias seguidos e deve seguir sempre atentamente as instruções do folheto informativo.
Se a prisão de ventre ocorrer com mais frequência, então é aconselhável considerar o estilo de vida. Comer de forma saudável, ingerir alimentos ricos em fibras, beber mais água e fazer mais exercício físico certamente podem ter um efeito positivo na evacuação
Quando se deve consultar um médico?
Aconselho-o a entrar em contacto com o seu médico quando:
• a prisão de ventre ocorre com mais frequência e/ou se torna mais intensa.
• Surgir sangue ou muco nas fezes.
• a prisão de ventre é acompanhada de dor abdominal intensa, vómitos ou distensão abdominal.
• Apresenta mau-estar geral ou perda de peso inexplicada.
• Ocorre uma alteração súbita nos seus hábitos intestinais.
Porque é que tantas pessoas ficam com prisão de ventre quando viajam?
Quando viaja, o jet lag, a alteração dos hábitos alimentares, uma casa de banho suja num parque de campismo ou a falta de privacidade na ida ao quarto de banho podem tornara evacuação num problema. Em princípio não é grave não evacuar durante uns dias. Em geral, o ritmo regulariza por si próprio.
Resumidamente, as causas mais importantes são:
• Alteração da alimentação.
• Baixo consumo de fibras. Hidratação insuficiente (tente beber 1,5 litros de água por dia).
• Alterações do padrão de vida diário normal.
• Falta de exercício físico (recomendado 20 a 30 min. por dia).
• Falta de privacidade ou de condições de higiene nas casas de banho.
• Contrariar o impulso de evacuar.
O que pode fazer no caso de prisão de ventre durante as férias?
Conselhos úteis para as férias:
• Beba 6 a 8 copos de água por dia. Atenção: em alguns países é melhor não beber água da torneira, nem para bochechar a boca quando lava os dentes. Nesse caso beba água de garrafas seladas.
• Faça regularmente uma pausa na sua viagem e tente mover-se um pouco. Tenha uma alimentação variada rica em fibras através da ingestão de vegetais e fruta.
• Coma devagar, mastigue bem.
Porque é que a prisão de ventre ocorre com frequência em idosos?
Há uma série de causas possíveis que normalmente são mais comuns à medida que envelhecemos.
Em primeiro lugar os órgãos do sistema digestivo e por consequência a digestão não vão funcionar tão bem quando envelhecemos. Em segundo lugar, existe frequentemente uma alteração nos hábitos alimentares. Os idosos sofrem frequentemente de prisão de ventre porque:
• Têm uma má hidratação;
• Comem poucos alimentos com fibras;
• Têm uma mobilidade reduzida;
• Tomam medicação que têm a obstipação como efeito secundário (medicamentos contendo ferro ou cálcio, analgésicos opiáceos e alguns medicamentos para tratamento da hipertensão arterial)
• Têm mais patologias associadas que aumentam o risco de obstipação.
É frequente os idosos terem prisão de ventre crónica?
Sim, a prisão de ventre é um sintoma muito comum em idosos.
É importante procurar aconselhamento médico quando a prisão de ventre persiste durante mais de uma semana ou é refractária ao tratamento.
Que outros sintomas podem surgir quando se sofre de prisão de ventre?
Além da dificuldade em evacuar, podem surgir hemorróidas ou fissuras anais devido à força que é necessário fazer para evacuar. Embora não seja uma situação grave, as fissuras podem ser muito dolorosas e muitas vezes são a causa da existência de sangue vermelho vivo nas fezes. Para evitar a dor provocada pelas fissuras, as pessoas tendem a adiar a ida à casa de banho, o que torna as fezes cada vez mais duras e piora a prisão de ventre.
Todos estes sintomas têm também como consequência uma diminuição da qualidade de vida. O meu conselho é: não espere muito tempo para consultar o seu médico em caso de prisão de ventre crónica.
Quais são as principais causas da prisão de ventre em idosos?
Como causas principais para a ocorrência de prisão de ventre em idosos podem ser apontadas as seguintes:
• A falta de uma alimentação equilibrada - quando a alimentação é pobre em fibras, o estímulo para a evacuação do reto diminui.
• Pouco exercício físico - ao movimentarem-se menos, também os músculos abdominais são menos utilizados prejudicando a sua função de apoio para o bom funcionamento dos intestinos.
• Uma hidratação inadequada - as pessoas idosas poderão ter uma sensação de sede reduzida diminuindo a ingestão de líquidos. Uma hidratação adequada é muito importante para uma boa evacuação.
• Queixas dolorosas - Por exemplo, quando alguém sofre de hemorróidas, a dor associada à defecação pode ser tão grande, que a pessoa vai adiando a ida à casa de banho tornando o problema ainda maior.
• Medicamentos - a prisão de ventre é um efeito secundário conhecido de muitos medicamentos. Exemplos destes medicamentos são os analgésicos (em especial os opiáceos), antiácidos (contendo cálcio e/ou de alumínio), alguns antidepressivos e anti-hipertensores.
Que conselhos pode dar aos idosos que sofrem de prisão de ventre?
O melhor conselho e o mais simples é: ter uma alimentação equilibrada rica em fibras e ingerir mais líquidos, pois a água potencia a ação das fibras. Um outro conselho é praticar exercício físico regularmente para estimular os músculos abdominais. Também é importante não adiar a ida à casa de banho, mesmo que seja doloroso.
Se estiver a tomar qualquer medicamento poderá, juntamente com o seu médico ou farmacêutico, verificar se causa prisão de ventre e com base nisso escolher uma alternativa terapêutica. Mas neste caso, fale primeiro com o seu médico. Este poderá receitar-lhe um fármaco que alivie a dor sempre que for à casa de banho.
Quando devem consultar o médico?
É sempre bom consultar o seu médico quando a prisão de ventre se torna um problema crónico, especialmente se a prisão de ventre for acompanhada de hemorróidas ou fissuras anais.
Também é importante consultar o seu médico o mais rapidamente possível quando ocorra qualquer uma das seguintes situações:
• quando o padrão de evacuação se altera subitamente e é acompanhado de perda de sangue ou
• quando a prisão de ventre se associa a dor abdominal ou vómitos.
Os bebés também podem sofrer de prisão de ventre (obstipação)?
Sim, a prisão de ventre também pode ocorrer em bebés. Mas, porque na primeira fase da vida de um bebé ocorrem muitas alterações, por exemplo, na mudança do leite materno para outro tipo de alimentação, ficar mais tempo sem evacuar não significa que se trate de prisão de ventre.
Quais são os padrões de evacuação normais de um bebé?
Existem grandes diferenças de bebé para bebé em relação ao número de evacuações por dia. Pode variar de 5 vezes por dia até 5 vezes por semana. Os bebés que fazem leite materno têm as fezes mais finas e mais claras do que os bebés que são alimentados com leite artificial.
Com que frequência ocorre a prisão de ventre em bebés?
Tendo em conta que o padrão de evacuação em crianças muito pequenas pode diferir muito, nem sempre é fácil determinar se um bebé sofre de prisão de ventre. Em geral, trata-se de prisão de ventre quando o bebé não defecou durante 5 dias, ou mais. Também quando as fezes são duras e é perceptível que o bebé tem dores, ao defecar, em geral, trata-se de prisão de ventre. A prisão de ventre ocorre em 0,7% a 29,6 % das crianças.*
O que nos deve despertar a atenção num bebé?
Quando o bebé chora muito com cólicas, a evacuação ocorre com pouca frequência e as fezes são duras, então existe a possibilidade de estar com prisão de ventre. Além disso, é importante verificar se o problema ocorre ocasionalmente ou com frequência.
O que fazer no caso de prisão de ventre em bebés?
O mais importante é, nunca utilizar remédios caseiros. Sem se aperceber, o problema pode ir agravando. Quando tiver a impressão de que a prisão de ventre é mais frequente, é importante procurar a causa. Por isso, é sempre aconselhável consultar o seu médico. Se o problema persistir, o seu médico de família pode encaminhá-lo para um pediatra especializado no tratamento de problemas relacionados com a obstipação em crianças de todas as idades.

*Alcantara et al. Complement Ther Clin Pract 2014; 20: 32 -36 KOAG/KAG nr. 17-0713-1423
O que é realmente a flatulência?
A flatulência, mais conhecida por libertação de gases (ou flatos) não é mais que a presença de uma grande quantidade de gás nos seus intestinos os quais saem do organismo através do ânus (flatos, gases).
A libertação de gases não é normal?
Pelo contrário, a libertação de gases é perfeitamente normal dado que o intestino pode conter até 2 litros de ar. Mas pode ser muito incómodo, principalmente no convívio com outras pessoas. Todos, novos ou velhos, pobres e ricos, sofrem deste problema com maior ou menor intensidade. No entanto, o grau de flatulência pode variar muito. Em geral, as pessoas idosas sofrem mais de flatulência do que as mais novas.
A flatulência também pode ser acompanhada de outros sintomas?
Em pessoas com flatulência, o de gás pode estar na origem de sons ruidosos e borbulhantes no abdómen e /ou da sensação de distensão abdominal.
Como aparece o gás na barriga?
O gás no trato gastrointestinal aparece de várias formas. Paralelamente à deglutição dos alimentos, também é engolida uma determinada quantidade de ar. Especialmente quando as pessoas comem muito depressa. A maior parte deste ar é removido do estômago através das eructações (arrotos), sendo que o restante poderá passar para os intestinos. No entanto, estudos recentemente mostraram que a maior parte dos gases do intestino é formada através da fermentação dos alimentos pelas bactérias localizadas no intestino grosso.
O que causa o mau cheiro dos flatos?
Um dos piores desconfortos sociais resultantes da flatulência é o mau cheiro. Este é causado pela decomposição dos alimentos em compostos químicos contendo nitrogénio e enxofre.
É muito difícil fazer algo quando se tem muitos gases?
O gás está presente nos intestinos sob a forma de bolhas de gás. Para que este gás seja libertado é necessário que as bolhas rebentem. Isto pode ser feito com produtos que contêm simeticone: este princípio activo provoca o coalescimento das diferentes bolhas no intestino e faz com que o o gás seja libertado através do ânus. Um conhecido medicamento com simeticone é Dulcogas. Para saber como o utilizar leia as instruções de utilização.
Existe uma relação entre prisão de ventre e flatulência?
O excesso de gases ocorre como um sintoma associado à prisão de ventre. Alguns alimentos estimulam a formação de gases nos intestinos. Isto acontece devido ao conteúdo em fibras solúveis desses alimentos. Alguns desses alimentos mais conhecidos são o feijão castanho, cebolas e couve.
Durante a digestão as bactérias fermentam no intestino grosso estas fibras dos alimentos o que tem como consequência a produção de gás no intestino. Também o stress ou engolir muito ar podem agravar a flatulência. O ar mal cheiroso dos flatos é devido à digestão das proteínas pelas bactérias presentes no intestino grosso. As pessoas que têm gases ou flatulência, poderão também ter dor abdominal associada. Os gases podem também ser um sintoma de doenças como a Sindrome do Cólon Irritável.

Está prestes a sair do website Alivioprisaodeventre. Ao clicar no botão ”Ok” será direcionado para outro website onde os termos e condições podem ser diferentes das do website Alivioprisaodeventre. Deseja continuar?